sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Igrejas de Auvergne - França

Mais um postal que o Óscar comprou a caminho de Portugal. Infelizmente, não visitou nenhuma destas igrejas na região de Auvergne. 

www.editions-debaisieux.fr
As igrejas são:
- Igreja de São Astremónio em Issoire, século XII;
- Igreja de São Nectário, na cidade com o mesmo nome. Também data do século XII;
- Basílica de Nossa Senhora de Orcival em Orcival, igualmente do século XII e românica como as duas anteriores;
- Catedral gótica de Clermont-Ferrand;
- Basílica de Nossa Senhora do Porto, também em Clermond-Ferrand. Foi construída e reconstruída em estilo românico entre os séculos VI e XII;
- Catedral de Saint-Flour. Construída entre 1398 e 1466 em estilo gótico. 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Gruta de Villars - França

Desde pequena que gosto de explorar e visitar grutas, a falta de espaço e luz não me fazem confusão nenhuma. O Damien também parece gostar. Há pouco tempo enviou-me um postal das grutas de Lascaux e há poucos dias chegou este da Gruta de Villars que ele visitou há umas semanas. 

Edition Christophe Levillain
A gruta de Villars situa-se no departamento da Dordonha, região da Aquitânia. Até hoje estão explorados cerca de 13 km de terreno.
O rio subterrâneo cavou enormes salas ligadas entre si por passagens, criando fantásticas paisagens naturais.
As pinturas pré-históricas foram descobertas em 1958. 
Há mais de 19000 anos atrás, os homens de Cro-Magnon andavam pelo maciço de Cluzeau. Esses homens pré-históricos desenvolveram um mundo cultural complexo que se expressou através da expressão artística.
Em Villars, os artistas pré-históricos usavam manganês (pigmento natural preto) que foi reduzido a um pó e combinado com um aglutinante. Algumas pinturas, como a rotunda dos cavalos, estão cobertas por um filme fino de calcite, dando-lhe a sua tonalidade azul específica. Para além de cavalos, também estão representadas cabras e búfalos, e uma das rara representação humana da arte pré-histórica.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Alquezar - Espanha

Sempre que pode, a Celina vai dar uma voltinha, felizmente pode fazê-lo bastantes vezes. Em Setembro foi até Aragão e há poucos dias até à Andaluzia. Inveja!! Em Setembro enviou-me este postal de Alquezar. Nunca tinha ouvido falar mas parece um local muito bonito e interessante. 

Ediciones Sicilia S. A. 
Alquezar é uma vila com influências árabes, situada no desfiladeiro do Rio Vero, no parque nacional da Serra de Guara.
O nome vem do Árabe, que significa fortaleza. O povoado originou-se de um castelo que abrigava sua população dentro da fortificação, com o tempo a população foi aumentando e foi necessário expandir para fora das fortificações até chegar no modelo que está praticamente intacto até hoje.
Com características medievais, as grandes atracções de Alquézar são a vila em si e perder-se pelas ruelas a pé. Não são permitidos veículos na vila.  
O traçado da vila é tipicamente muçulmano, ruas estreitas e altas, para proteger a população do vento e sol.
Pertence à rede das Aldeias mais bonitas de Espanha.

domingo, 8 de outubro de 2017

Símbolos do Caminho de Santiago

O Caminho de Santiago é algo que eu gostaria de fazer mas não me parece que vá acontecer. Para o fazer sozinha, o meu péssimo sentido de orientação era capaz de não ajudar e para o fazer acompanhada, não estou a ver com quem. Talvez um dia. 
O Óscar também tem essa vontade e enquanto não faz este caminho, vai fazendo o caminho de volta a Portugal umas vezes por ano, aproveitando sempre para comprar postais. 

© Ediciones A. M. Fotos: N. Benitez; P. Bucero; A. Murillo; A. Badía y D. Acevedo
Alguns símbolos do Caminho de Santiago.
* Vieira Estilizada - Símbolo universal como identificação do Caminho de Santiago. Sendo um elemento de identificação, representa esquematicamente a convergência dos vários caminhos europeus para a cidade de Santiago de Compostela. Em algumas situações, a viera estilizada, para além de elemento identificador, pode assumir-se como elemento orientador do percurso para o peregrino. Neste último caso, a aplicação deste símbolo poderá ser posicionada mediante a direcção a seguir;
* Cruz de Santiago - é uma cruz latina simulando um lírio em forma de espada. Acredita-se que tenha tido origem no tempo das cruzadas, quando os seus cavaleiros usavam pequenas cruzes com a parte inferior afiada para pregá-las no chão e realizar devoções diárias. Os três lírios representam a honra irrepreensível que refere-se a traços de carácter moral do apóstolo Tiago. A espada representa o carácter nobre de São Tiago e o modo como foi martirizado, decapitado por uma espada. Também pode simbolizar, em certo sentido, tomar a espada em nome de Cristo. Em particular é o emblema do séc. XII da Ordem de Santiago, com o nome em referência ao santo padroeiro da Espanha, Santiago;
* Seta Amarela - Símbolo muito popular entre os actuais peregrinos como um elemento orientador do percurso a seguir. Elías Valiña, padre em Cebreiro (Espanha), foi o pioneiro na aplicação de uma sinalização por meio de setas amarelas como apoio aos peregrinos que se perdiam nesta localidade. Nos dias de hoje a utilização da seta amarela está presente em quase todos os caminhos rumo a Santiago de Compostela. Por esta razão, este símbolo tornou-se universal junto dos peregrinos de Santiago. - in: http://www.caminhosantiagoviana.pt/simboloserituais.html

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Forte da Graça - Elvas

Foi em 2012 que Elvas entrou para a lista do Património Mundial e foi nesse mesmo ano que lá fui participar num encontro de Natal. Na altura não foi possível visitar este forte por estar encerrado devido a necessárias obras de requalificação. Só em 2015 reabriu as portas ao público. 
Quem quiser visitar o forte optando por uma visita guiada, pode fazê-lo com a Alice, quem me enviou o maravilhoso 1º postal e que trabalha no forte há 2 anos. O 2º postal foi enviado pelo Eurico. 

© Sergiy Scheblykin 2016 * Iberian Landscapes
PT-541987, enviado pela Alice.
Também conhecido por Forte Conde de Lippe, o Forte da Graça situa-se no monte com o mesmo nome, um dos mais altos da região e de grande importância estratégica-defensiva, a cerca de 1km de distância a norte da cidade de Elvas. 
Esta obra-prima da arquitectura militar Europeia foi mandada construir pelo rei D. José I, iniciando-se os trabalhos de construção em 1763, sendo inaugurado em 1792, já no reinado de D. Maria I. 
Erguido numa zona que vinha sofrendo muito com os ataques inimigos, nomeadamente das forças Espanholas, o Forte da Graça resistiu ao ataque das tropas espanholas durante a Guerra das Laranjas (1801), e ao bombardeamento infligido pelas tropas francesas do general Soult, no contexto da Guerra Penins.ular (1811). 

O Forte da Graça é constituído por três linhas de defesa, incluindo no seu interior diversas dependências, como casernas, capela, a casa do governador, uma grande cisterna, canhoeiras, entre muitas outras. 
Parte integrante da Praça-forte de Elvas, cidade que desde cedo se tornou um importante bastião estratégico, o Forte da Graça foi construído no local onde antes de encontrava a antiga Ermida de Santa Maria da Graça, e está classificado desde 1910 como Património Nacional. - in: https://www.guiadacidade.pt/pt/poi-forte-da-graca-20171

Igreja Matriz da Lourinhã

Enquanto professora, a Leninha já deu aulas em vários locais. Este ano voltou a ter de se mudar e agora o seu código postal é da Lourinhã, de onde ela mandou este postal com a Igreja Matriz, também conhecida como Igreja de Santa Maria do Castelo. 

A igreja foi construída na segunda metade do séc. XIV, tendo sido classificada como Monumento Nacional em 1922. 
Pensa-se que no local onde se encontra a Igreja, já os Muçulmanos teriam construído uma fortificação aquando a sua ocupação do território.
O templo foi construído em duas fases, a primeira atribuída a D. Jordan, 1º donatário da Lourinhã, e a segunda a D. Lourenço Vicente, Arcebispo de Braga, natural da Lourinhã e seu donatário. 
A igreja é constituída por uma nave central, duas laterais e uma abside poligonal, sendo a nave central mais elevada e alargada, separada das laterais por oito arcos de ogiva com decoração vegetalista. 
Na nave lateral sul há uma torre sineira, construída no século XVII. - in: https://www.guiadacidade.pt/pt/poi-igreja-de-santa-maria-do-castelo-17317

sábado, 30 de setembro de 2017

Aldeia Típica de José Franco

Nunca tinha ouvido falar desta aldeia típica até ter recebido o 1º postal de lá, enviado pela Ninocas e assinado também pelo Zé e pela Vitória. Os 3 foram os participantes no encontro de aniversário do Postcrossing em 2012. Poucos mas bons. O outro postal foi enviado há dias pela Joana Duarte. 

Esta aldeia miniatura situa-se na pequena localidade do Sobreiro, entre a Ericeira e Mafra.
A história da aldeia remonta ao nascimento do oleiro José Franco, em 1920. O seu pai era sapateiro e a mãe, vendedeira de loiça, fazendo a venda de barros de porta em porta, bem como por muitas feiras e mercados estremenhos. Visto que o Sobreiro era um importante centro oleiro, desde cedo José Franco conviveu com o ofício e, ainda criança, ao deixar a escola primária, aprendeu o ofício com dois mestres oleiros locais, antes de trabalhar por conta própria, aos 17 anos de idade. Nessa época, reabilitou a olaria que tinha pertencido ao avô, há muito desactivada.

Em início dos anos 60, José Franco deu asas a um sonho, de recriar uma aldeia de carácter etnográfico, onde as suas memórias de infância se cristalizassem, testemunho do modo de viver das gentes locais, em homenagem à sua terra. A sua aldeia teria dois componentes: seria uma réplica das antigas oficinas e lojas, dos espaços vividos, decorados e apetrechados por objectos reais, onde se reproduziam os costumes e actividades laborais intrínsecas à sua infância e à vida camponesa da região de Mafra; em simultâneo, a aldeia compreendia uma área lúdica, dedicada às crianças, repleta de miniaturas de casas e habitantes que retratavam as actividades exercidas à época: trabalhos no campo, carpintarias, moinhos de vento, capelas, mercearias, escolas, adegas, camponeses e até uma reprodução da vila piscatória da Ericeira e dos ofícios ligados ao mar. Em anos posteriores, a Aldeia-Museu foi beneficiada pela construção de uma terceira área, murada como um castelo, com um parque-infantil, incorporando alguns engenhos agrícolas, que as crianças podiam movimentar livremente.

Hoje, o pequeno mundo moldado pelas mãos de José Franco (falecido em 2009) é visitado anualmente por milhares de pessoas. E, para além da exposição das figuras, no museu que lhe foi dedicado, os visitantes encontram réplicas à escala humana de muralhas de castelos, moinhos de vento, um parque infantil, uma pequena adega onde podem provar o vinho da região ou ainda a padaria, onde podem comprar o afamado pão com chouriço, entre outros. Na Aldeia de José Franco cabe a dedicação de uma vida à nobre atividade tradicional da olaria, expondo ainda a rica cultura artesanal do Concelho de Mafra. - in: http://www.cm-mafra.pt/pt/turismo/aldeia-museu-jose-franco

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Ericeira

Ericeira é uma vila muito antiga e por lá podemos encontrar alguns traços de arquitectura bem bonitos.
Ambos os postais foram enviados pelo Zé.

A arquitectura tradicional da Ericeira nota-se em especial nas suas portas e janelas. 

© Atlanticpost
Nas construções típicas da Ericeira, predominam o branco e o azul.

Casa da Cultura da Ericeira

Estes dois postais também foram enviados pelo Zé, um este mês e o outro em 2011, ambos da Casa da Cultura e Biblioteca da Ericeira. 

© ATLANTICPOST
Este bonito edifício funciona desde os anos 80 como Casa de Cultura mas a sua história começa em 1861 quando foi inaugurado o Clube Recreativo Ericeirense.

 Depois disso foi casino, cine-casino e radio.
Actualmente, a Casa da Cultura Jaime Lobo e Silva, é conhecida pela sua biblioteca pública.

Reservatório da Mãe d'Água - Lisboa

Uma vez uma amigo falou-me maravilhas sobre o reservatório da Mãe D'Água em Lisboa e pelas fotos que mostrou, o local pareceu-me interessante. Pode ser um local a visitar numa próxima ida a Lisboa. 
O postal foi enviado por outro amigo, o Zé.

Foto: Jorge Diniz
A construção da Mãe d' Água, parte integrante do Aqueduto das Águas Livres, é um marco na história da arte do século XVII, e do espírito Barroco que o envolveu, conseguindo aliar a matéria, o Espírito e a Inteligência Portuguesa. Foi projectado por Carlos Mardel em 1752 e terminado por Reinaldo Manuel dos Santos. O Reservatório só foi concluído em 1834. 
No seu interior a Arca da Água atinge os 7 metros de profundidade com a capacidade de 5.500 m3. A cascata interior vive entre dois símbolos inseparáveis,a Pedra e a Água. Na parte superior existe um terraço panorâmico assente sobre abóbadas sustentadas por quatro colunas de 15 metros de altura. - in: https://www.guiadacidade.pt/pt/poi-reservatorio-da-mae-d-agua-das-amoreiras-281580

domingo, 24 de setembro de 2017

Lisboa

Há umas semanas a Joana Duarte, uma portuguesa a viver em França, estive de férias em Portugal e quis conhecer alguns postcrossers de cá. Encontrou-se em Lisboa com a Ninocas, que me enviou este postal, a Paula, a Ana Maria, o Zé, o Luís, a Inês Brito, o Rui e a Caroline, uma postcrosser Suiça de férias em Portugal e com quem eu me encontrei uns dias depois no Porto.

Foto: Nuno Antunes * Design: Catarina Roque

Lisboa com vista para o castelo de São Jorge. Diz no postal que o castelo é o monumento mais emblemático de Lisboa, eu por acaso não acho nada, para mim o mais emblemático é a Torre de Belém ou até o Mosteiro dos Jerónimos. De qualquer maneira e como também diz no postal, o castelo testemunhou todos os momentos históricos da cidade - desde a Idade do Ferro, passando pelas ocupações dos Fenícios, Gregos Cartagineses, Romanos e Muçulmanos.  

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Vencedor do Mês - Agosto (II)

Para além dos postais portugueses também recebi postais brasileiros, gregos e franceses. 

Foto © MABBOM
Há exactamente um ano estava eu de férias no Brasil. Passei por São Paulo, onde encontrei a Luzia, só não sei se passei pelas avenidas São João e Ipiranga. 

Foto: Rafael Gushiken

Na Sé de São Paulo passei de certeza, aliás, não passei só, entrei e visitei-a. O postal foi enviado pela Maria Gabriela. 
Parece antiga mas a construção da Sé tal como a vemos hoje, começou apenas em 1913. O templo foi inaugurado em 25 de janeiro de 1954, na comemoração do 4º Centenário da Cidade de São Paulo, ainda sem as duas torres principais.

Photo: Christian Fehr
Jericoacoara é uma vila do município de Jijoca, a 300km de Fortaleza, na costa oeste do Ceará.
A Pedra Furada, um dos famosos cartões-postais da vila e fica a trinta minutos de caminhada a partir da praia de Jericoacoara.
Postal enviado pelo Edson.

Há poucas semanas a Inês esteve de férias e foi até à Grécia. Para este jogo escolheu enviar-me um postal da capital grega. 
Devo dizer que Atenas não é das cidades que mais me chama a atenção e não está nos meus planos ir lá em breve. 

Editions D'Art
Este postal é francês mas foi enviado do Brasil pela Dani. Mostra o Salão de Hércules no Palácio de Versalhes. 

Vencedor do Mês - Agosto (I)

Em Julho a Inês lembrou-se de abrir o jogo "Vencedor do Mês" que consiste basicamente em enviar um postal a um vencedor escolhido aleatoriamente. No mês de Agosto a vencedora fui eu ッ e recebi 12 postais. Estes são apenas os postais portugueses, os outros virão a seguir. 

 Fotos: Manuel M. Pinturache, David de Abreu
Começo com o postal enviado pela Sofia com algumas imagens de Portugal, quer dizer, basicamente Porto e Lisboa, como se só existissem essas cidade no país. De qualquer maneira é um bonito postal.

Photo: Nuno Antunes
A Ninocas enviou um postal de Lisboa com o rio Tejo e a Ponte 25 de Abril. 
O Tejo é um dos rios mais extensos da península ibérica e o maior em território português, com um curso total de cerca de 1100 quilómetros.

Pode até nem parecer à 1ª vista mas este é um postal do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios em Lamego. Realizaram-se há poucas semanas as Festas em Honra de Nossa Senhora dos Remédios. Já fui a Lamego algumas vezes e já assisti a estas festas duas ou três vezes. 
O postal foi enviado pela Ana Rita. 

 © FORWAYS, Lda
Conheço bastantes Sés do nosso país e devo confessar que a de Castelo Branco é das que menos me impressionou. Nem todas as cidades podem ter uma sé linda como a da Guarda!! 
A Igreja de S. Miguel, que é a bela Catedral de Castelo Branco, provavelmente remonta ao século XIII ou XIV. Mas sofreu inúmeros danos no último quartel do século XVII. Faltando os meios para edificar uma obra monumental, foi D. Martim Afonso de Melo, Bispo da Guarda, que a reconstruiu no último quartel do século XVII, suportando a maior parte da despesa em sua reconstrução. A fachada quase não tem ornamentos. - in: http://www.centerofportugal.com/pt/se-catedral-de-castelo-branco/
Postal enviado pelo Zé.

 Exclusivo: TIPAL
O Rui enviou um postal de Ferreira do Zêzere com uma paisagem do Vale da Ursa, parte dela atingida pelos incêndios deste verão.   

Esta é uma reprodução de um postal de São Brás de Alportel nos anos 30. Postal enviado pelo Tiago.

© Instituto dos Museus e da Conservação, I. P. / Palácio Nacional de Queluz - Fotografia: Luís Pavão
A Inês Brito enviou este postal com uma imagem da saleta dos aposentos da princesa D. Maria Francisca Benedita no Palácio de Queluz. Tal como eu, quando a Inês foi ao palácio, descobriu alguns móveis que seriam perfeitos para arrumar postais!! Postcrosser que é postcrosser, vê postais em tudo...